sábado, 30 de agosto de 2014

RACISMO - A BOMBA EXPLODIU!


Fico vendo as pessoas "impressionadas" com o racismo no esporte, como se fosse algo inesperado. 

Ora, ora, ora! Tratava-se da última bomba a explodir!

Quantos artistas alegam racismo na moda, na TV, nas novelas, no cinema e etc? E a grande maioria das pessoas míopes repetem, como quem quer tanto se convencer, que esquecem de ver de verdade, o real: "Isso já é exagero!".

Não! Não é.

Exagero é a gente não ver essa realidade que está e sempre esteve aí, aqui e acolá.

O fato de explodir no esporte - um dos únicos lugares, além da música, onde negro tinha espaço para "crescer" ou ascender e prosperar, tendo acesso ao mundo do glamour que o dinheiro, o muito dinheiro pode "bancar": o mundo dos brancos, o mundo onde é possível "ser feliz, com conta bancária gorda" - apenas grita, mais um grito de "olha ele aí! Ele sempre esteve aqui!". Isso incomoda! 

Os brancos não querem ver negros crescendo. Para eles, lugar de negro é em subemprego - não desmerecendo as diversas profissões, até porque, esse tom pejorativo, é consequência do veneno que o poder exacerbado do capitalismo exerce na mente dos fracos. Podem observar: quem está destruindo o mundo? As grande indústrias são dos negros? Foram eles que começaram a destruição irreversível do NOSSO planeta? Sim, o planeta é nosso, apesar deles acharem que é só deles!

Ultimamente, como tem dado audiência, os grandes veículos de comunicação tentam "ajudar" na diminuição desses episódios, divulgando, mostrando o que vem acontecendo. Mas, no esporte, ganha uma proporção onde as pessoas param para falar, afinal, o esporte tem uma maneira diferente de tocar o coração e a mente dos torcedores, pois se trata de uma amenidade, de entretenimento, de neutralidade, onde não caberia - e nem cabe - qualquer tipo de segregação. No esporte, principalmente no futebol, não há inimigos. A rivalidade é em campo, é no ringue, é na quadra... é apenas entre os times.

Mas, o que me preocupa é o outro lado da dualidade... em se tratando de era digital ou informacional, da sociedade de massa em massa, do capitalismo como mestre dos mestres - coitado, apenas um efeito... a causa é humana! - é a ação ou as ações de marketing de oportunidade. Bom, por um lado, as campanhas que começam, como se fossem ações de responsabilidade social, aproveitam para se promover, abordando o assunto e dando o ar de maior naturalidade possível na criação de um "mundo" igualitário e justo. Que seja correto - apenas questiono o que vem a ser justo nessa vida... - "marketingmente" falando, fazer as duas coisas: promove o cliente, ao mesmo tempo que colabora com as ações sociais e na tentativa de minimizar os impactos altamente negativos e destrutivos que o preconceito é capaz de gerar. Entretanto, caso se torne de uma ação pontual, apenas agora, o tiro sai pela culatra... Se não houver interesse real em colaborar com a causa, pode acirrar. Se for apenas ação de oportunidade, a empresa ganha audiência, público e etc. E a causa? Volta a virar moeda de troca, novamente. Muito complicado expor como penso sobre esse assunto... assim, vou parar por aqui sobre minha teoria.

Voltando ao racismo no esporte, digo que é apenas uma ponta mínima de algo muito maior, só para não cair no chavão: é a ponta do iceberg. Mas, é exatamente isso! O medo de perder o controle do "negro legal que pode circular em altas rodas, porque é bonitinho dar chance a uns poucos, apenas para que eles alimentem a esperança de viver um mundo que não é deles" acabou explodindo. E apareceu a verdade que ninguém queria ver: O RACISMO EXISTE, FORTE E DESTRUIDOR COMO SEMPRE EXISTIU! Ele nunca se foi. O medo de processo que freava algumas ações. O medo de ser flagrado pelas câmeras, por testemunhas... isso segurava a onda de alguns racistas extremistas. Mas, à medida que a população e a sociedade está em crise, porque os valores aí presentes mostram e comprovam de que tudo é vulnerável e que pagando qualquer um sai da prisão, promove um levante de segurança e auto confiança onde o medo deixa e ser um fator paralisante e vai cedendo espaço ao outro lado: "eu vou mostrar quem manda nessa zorra!" e aí, meu amigo e minha amiga, que é desanda. Sem medo de ser punido - já que consciência e respeito essas pessoas não têm - eles se sentem donos da situação e anseiam em revelar isso aos demais. Aos poucos, vão sentindo o terreno e percebem que outros como eles estão dispostos a sair do condicionamento e colocar a cara para fora, afirmando de quem é o território! E por aí vai!

Falta ao povo ser gente! Falta humanidade nos seres humanos. Falta humanismo! Faltam valores reais e firmes. Essa onda de ostentação ao superficial, essa ode ao poder faz com que as pessoas não se vejam mais como gente, apenas como máquinas comandadas por uma mão invisível chamada descontrole! Do mesmo jeito que as pessoas ignoram que são emoção, acreditam numa razão crua e fria como demonstração de equilíbrio e poder, elas acreditam que Papai Noel existe, bem como o coelhinho da páscoa e todos os símbolos capitalistas de consumo, porque ao pensarem que estão no comando, no controle, estão, na verdade, presos a padrões repetitivos, alegando mudança e transformação... De controladores, não passam de controlados pelos próprios desejos infantis.

Pois sim, racismo não é só crime, é falta de respeito e falta de humanidade!

Racismo é demonstração de fraqueza! Respeito ao próximo, sim, é para os fortes!

O mundo precisa de cores! A natureza é diversa! Nós somos apenas uma parte dela, não o todo, muto menos os melhores...

Pat Lins.




sábado, 16 de agosto de 2014

TIPO ASSIM, A JUVENTUDE AINDA ESTÁ EM MIM, TÁ?

Imagem: Green - by Zarak
Interessante... quando éramos mais jovens - em idade, especificamente falando - a gente sofria um sofrimento juvenil onde aquela nossa realidade era maior do que tudo! Tudo o que conheciamos em experiência de vida até ali, né? Tipo assim, cara, uma dor no peito por um "amor" não correspondido; uma tristeza profunda por uma briga com o/a namoradinho/a; uma raiva sem fim dos pais quando nos diziam "não vai"; um ódio dos professores porque não entendiam que, naquele dia, a gente, simplesmente, queria descansar, porque já estava cansada/o de tanto estudar...; uma ansiedade em fazer tudo e provar a todos que éramos "maduros" e tinhamos "cabeça".

Quem de nós nunca passou por isso? Tipo assim, quando a gíria nos dava a sensação de que nosso gueto era O MUNDO. Uma sensação de que eramos o futuro da nação... E, com isso, tinhamos uma grande missão pela frente, afinal, eramos jovens!

E, quando vejo um jovem - em idade, tá? - tipo assim, com um ar de desespero, sabe, do tipo "ai, tia, vou morrer se..." eu acho lindo! Me irrita escutar os adultos dizerem, aquilo mesmo que eu escutava quando era eu no lugar..., do tipo: "ai, menina/o, vai lavar uma roupa que a tristeza passa! Isso é falta de ocupação! Nem sabe o que é a vida!". Pois é... me pergunto, bem como aos meus contemporâneos e os mais velhos: VOCÊ AÍ, NO AUGE DA SUA "MATURIDADE", SABE O QUE É A VIDA?

Digo aos jovens: sofram e deixem passar, porque tudo passa! Fiquem abertos ao novo e façam o novo, porque, depois, velhos, dá muito mais trabalho, mas sempre dá! Explico que sempre há o eu e o outro e que eu sou o outro do outro - simples, né?

Ah, jovem, velho, criança, idoso, adulto... isso tudo é invenção nossa, um bando de ser humano desocupado... se a gente bem soubesse ocupar o tempo, faria um hoje melhor, para que o futuro da nação fosse decidido agora, com novas posturas e atitudes - com valores e virtudes!

Adoro sentir o cheiro e o gosto da juventude! Adoro quando enxergam que eu mudei, porque vivi cada fase que precisei e reconheci a importância de cada uma, para, hoje, saber onde estou e que ainda estou aqui. Fico triste em me deparar com aqueles que se mantém os mesmos..., que me olham como se eu não pudesse ser o que deixei de ser... Como se "melhorar" fosse uma máscara. Enquanto alguns expressam um: "Nossa, como você mudou! Nem parece mais aquela menininha mimada!", eu agradeço! Graças a Deus fui muito mimada e penso: "inveja mata!". E, graças a Deus, deixei de ser! Viu? Tudo é fase. Tudo passa!

Aos amigos "muito maduros" de plantão, digo: estão apodrecendo - processo natural pós amadurecimento e que todos passaremos! Eu? Estou apenas vivendo, até o dia do "tchau, até mais, pois agora é reta final". Se a Terra tem a idade que tem e não para de desejar: "inovem! Mas, não me destruam!", vejo que eu, terráquea que sou, tenho isso em mim, né não? Vou vivendo por aí! Aprendendo que sempre se tem mais a aprender. Vivendo por aí! Entendendo que as diferenças são apenas características individuais! E vejo os "grandes" conquistadores de fama e fortuna definhando em si, por falta de, uma coisa simples, que os jovens nos lembram e a gente que "envelhece" esquece: de si! Vai crescer! Tem gente que envelhece e não amadurece, cai podre do pé, peco e oco.

Que venha fortuna, que venha tudo o que tiver de vir, mas que EU sempre esteja! O vazio derruba qualquer um que se faz de maduro e feliz, sem, em si, ser!

Tipo assim, cara, não é julgando que vamos amadurecer! A sabedoria está em aceitar e respeitar. O resto, pura mediocridade de quem não sabe o que fazer da própria vida!

Tipo assim, cara,

eu sou mais eu!

eu sou, apenas EU,

Pat Lins - EU!



sexta-feira, 15 de agosto de 2014

AQUELE ABRAÇO!

Imagem: Love Father - by Carin 
Todo mundo precisa de carinho. Todo mundo precisa de cuidado.

Cuidado! Você pode não estar ciente disso!

Peça socorro ao braço mais próximo e peça, simplesmente, um abraço!

Pat Lins.

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

2014: TÁ PUXADO!



Então, vamos puxar ou soltar?

As provas da vida nos fazem sempre alguns alertas... se está puxado, quem puxa? Quem resiste?

Acabou de me vir isso à mente, justamente porque, nos últimos, sei lá, 10 anos, estão puxadíssimos. Pois, né que agora me veio a mensagem: "e a gente não aprendeu nada... Vai esperar partir?"

O que podemos fazer, agora, que dependa única e exclusivamente de nós, que não venha como resistência ao que "TEM QUE SER"? 

Escovar os dentes com a mão esquerda e rir de mim já é alguma coisa...

Do nada, fui pegar meu computador e me deparei com uma mensagem que minha amada amiga Ana Rita Reis me deu - há alguns meses e guardo na bolsa - da Clarice Lispector: "Mudar". Lindo texto! Hoje, ao entrar no facebook, me deparo com outra linda mensagem da mesma Clarice, a mesma que sou fã do estilo e não critico sua personalidade, "Sou como você me vê", através da Inês Lessa. Ou seja, tá puxado, porque eu resisto em aceitar que estamos MUNDIALMENTE em mudança, em processo de transformação. Se a gente ainda não aceitou, problema para a gente... Porque está aí, basta olhar e ver. 

O desapego é urgente! Nada nos pertence! Quem somos, o que fazemos e o que podemos fazer agora é que conta. O que foi, já era! Olhemos para o agora, JÁ!

Já passou da hora de lembrarmos que somos humanos e isso quer dizer: falhos e imperfeitos! Já passou da hora de pararmos de julgar, condenar, criticar cruel e irresponsavelmente os outros. Já passou da hora de entendermos tanta coisa simples... que destruição não edifica! E o que mais fazemos? Destruimos em nome de um apego e chamamos a isso de "amor". O amor à posse é doença. Assim estamos todos doentes!

Para salvar o planeta, salvemos, primeiro, a gente! Cada um que se salva de si, é uma doença a menos, uma ferida aberta a menos em nosso Planeta!

Nossas dores, nossos sofrimentos, não mudam se ainda nos sentimos vítimas e não nos vemos como atores - aquele que age. SIM, SOMOS CAPAZES! 

Não precisamos de força, isso a gente já usou demasiadamente errado! Precisamos de amor, precisamos sentir! Precisamos nos sentir! 

Não se trata de um jogo, muito menos competição! Se trata de ver e enxergar que a vida é feita do agora! AGORA é JÁ, não depois!

Vamos descobrir e acessar o amor que sentimos por nós mesmos, em primeiro lugar. Depois, o depois se instala como um agora renovado! Daí, sentiremos o repuxo diminuir. Ou, deixa partir!

Desejo, do meu coração, que todas as perguntas certas sejam feitas, para que as respostas possam chegar! Desejo que as soluções cheguem e que a gente pare de criar problemas!

Desejo que HOJE, AGORA, você que estiver com a bola na mão, depressa, pule fora! Solte a corda! Largue o peso. Rasgue a seda! E voe! Voe para lá, onde o sol brilha, custe o que custar!

Muito amor para todos e cada um de nós!

Pat Lins.

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

ESCOLHAS


As escolhas nos levam a lugares, que nos levam a lugares, que nos levam a lugares, que nos levam a lugares, que nos levam a lugares, que nos levam a lugares, que nos levam a lugares, que nos levam a lugares,  que nos levam a lugares,  que nos levam a lugares... que nos levam a novas escolhas, que nos levam a novas escolhas, que nos levam a novas escolhas, que nos levam a novas escolhas, que nos levam a novas escolhas, que nos levam a novas escolhas, que nos levam a novas escolhas, que nos levam a novas escolhas... que nos levam a estar sempre MUDANDO!

MUNDO GIRANDO - MUDANDO - MUNDANO

E o gerúndio é para isso: a ação acontecendo, a todo instante, em todo canto, em cada escolha, em cada lugar!

Pat Lins - gerundiando por aí, por aqui, por todo lugar! Até além do sol... ao infinito universal!!!


segunda-feira, 11 de agosto de 2014

TUDO FAZ PARTE DO TODO - CADA PARTE


Todo mundo quer ser estrela... mas, de qual grandeza? 

Todas são importantes, para ser mais clara! Afinal, TUDO faz parte de um TODO. 

Monte um quebra-cabeça e perca uma parte minúscula. Tente colocar outra no lugar... Tente olhar e ver a completude. 

Não há plenitude quando falta aquele pedaço, daquele lugar!

O Todo só é Todo por conta de cada parte!

Pat Lins - poeirinha cósmia e importante por ser, apenas, eu!

APRENDIZADO NO ONTEM: PRATICAR NO AGORA


Aquilo que ignorávamos ontem e acessamos o conhecimento hoje, só pode ser praticado no agora.
Pat Lins

Ninguém deve se envergonhar do que fez, falou ou agiu, ontem. Devemos sim, estar abertos para rever, inclusive, nossas piores palavras proferidas, vivendo o aqui e agora com amor.

Ao desabafar com um amigo/a, temos a sensação que assinamos um contrato e contraímos uma "dívida": "Se eu falei isso, agora, tenho que cumprir... Não dá mais para voltar atrás. E eu me arrependi. Deveria ter ficado calado/a.".

Tudo "blábláblá". Um amigo não é um juíz ou carcereiro das nossas ações. Muitos amigo desabafam comigo e, depois, fazem algo que continuavam fazendo. Concluo: "é a vida dele/a!". Não temos que interferir na vida de ninguém, apenas por termos o título honorário de "Sir" amigo, né verdade? Nossa interferência é de apoio, confiança e solidariedade. Se há uma AMIZADE deve haver confiança. E, se há confiança, há liberdade, compaixão e não há necessidade de esclarecimentos, porque, sem julgamentos, não temos do que pedir perdão, entende?

Muitas vezes, no afã da raiva - natural, diante do cenário "pura pressão" que vivemos - explodimos e falamos horrores. Falamos tudo o que nos incomoda. Colocamos para fora o bolo entalado na garganta e, se ele não desce, precisa sair. Um amigo, nessas horas, é um santo remédio, para que não seja necessário falar com as paredes. Nesses momentos, estamos acessando nossos monstrinhos residuais daquilo que vamos acumulando sem perceber - até mesmo quando acreditamos colocar tudo para fora com elaboração do pensamento, muitas vezes, mantemos tanto no âmbito racional, que não há o processo de transformação e, creiamos, transformação é emoção acolhida e bem alocada! - e, de repente, de tão cheio o receptáculo "EU", nada mais entra e é preciso fazer uma verdadeira faxina mental; LIMPEZA mesmo! Jogar todo o lixo para fora. Esvaziar o container. Zerar. Sempre há resíduos, até mesmo, após uma bela e gigantesca explosão. Resíduos podem ser internos e externos... Ambos pesam. Ambos devem ser cuidados. Nada é insignificante.

Por isso que sou uma amiga e tenho grande e importantes amigos! Porque, em meio a tudo, julgamos nada!

Os que nos julgam e nos cobram com: "lembra que você disse que ia fazer isso? Cadê?" ou "Considere que sua vida está assim porque você quer! Para sair, você vai ter que fazer isso, isso, isso e isso. Escute o que te digo! Depois, não venha chorar em meu ombro, porque minha parte eu já fiz: estou te dando a solução!", esses são pessoas altamente carentes de si e que acabam cobrando do outro o que não consegue cuidar em si. Também, não devem ser julgados e condenados à forca. Tudo tem seu tempo. Um breve DS - distância saudável - é boa para todo mundo e não significa descaso ou falta de afeto, é apenas o que é: um momento de pausa no tempo e espaço. Afinal, se precisamos nos recuperar "em" e "de" nós mesmos, por mais que gritemos, coloquemos para fora em forma de palavras, gemidos e grunhidos, ainda é dentro, no interior, no centro do meu ser que o cuidado precisa chegar. É lá que está a ferida aberta... É lá que a cura deve se fazer. E, quando fora de nós, sabemos e temos a certeza de que não somos julgados e sim, COMPREENDIDOS, reunimos força externa para uma bela mudança interna. Depois, ninguém vai dizer: "quem te viu e quem te vê, naninha!", porque o que é natural - como toda mudança - deve ser natural. Ficar preso ao que foi vivenciado no passado, lá, naquele tempo que já foi, é apego e não roda... se não roda, não gira e nada anda.

É de extrema importância que saibamos respeitar a nós mesmos, as nossas limitações, para entender que um amigo também tem as dele. Se eu estou uma bomba relógio em contagem regressiva, bem próximo do zero, como vou acolher um amigo na mesma condição? Ao ser sincero, tanto meu contador, quanto o dele/a pode diminuir e o impacto da explosão ser menor. Cada vez que nos (re)conhecemos, algo de bom acontece; milagres acontecem! Por isso, a gente nem pode ser cobrado, nem cobrar do outro o que ele não pode nos dar. E isso, insisto, não é falta de amor, afeto ou consideração! É HONESTIDADE. E a verdadeira amizade suporta Verdade, porque não é melindrosa. A carência é nossa...

Um amigo vai estar ao seu lado - e aí, falo como insisto em deixar claro, dos dois lados: sendo amiga e tendo amigos - segurando a sua mão, te apoiando, do lado onde você precisa! Um amigo vai seguir e crescer junto, porque vai entender que todos crescem quando se amparam, sem julgamento ou prisões em expectativas. Depois da explosão, há a necessidade da reclusão. É o período de restabelecimento. E, se aquele que te apoiou sabe que DS é saudável apenas sem arrogância, medo ou receio, vai entender naturalmente que isso se chama RESPEITO à fase. E não vai se afastar, apenas, deixar claro que está ali, só que sem fazer barulho ou invadir. É o "não estar só" que devemos lembrar quando somos e temos amigos!

Sou muito grata e agradecida, mesmo, pelos amigos que tenho! Me sinto honrada - sem o peso pejorativo que agregaram à palavra "honra" que vem com pacote vaidade e melindre - em ser amiga de tanta gente e ter Amigos que me amparam e acolhem, num processo mútuo e natural.

Desejo, do meu coração, numa energia de vontade, que um amigo de verdade surja em sua vida! Porque um amigo é um tesouro mais do que precioso. 

Pat Lins.


domingo, 10 de agosto de 2014

ELE SEMPRE FOI POR MIM E EU POR ELE!



Pai, este ano, tudo que tenho para te dizer:

TE AMOOOO!


Painho e eu - com 3 meses
Por você, vou em cada estrela, de cada galáxia, só para mostrar que nosso amor é infinito e muito maior do que se conta em anos-luz. 

Não existe tempo que contabilize cada momento especial e importante em nossas vidas e a certeza de que você sempre estava ali!

Cada passo que dei, cada passo que dou e os que darei sempre têm passos seus, bem como seus braços e abraços, porque não há quem torça mais por mim do que você! E sei que basta olhar para o lado para te ver! Você sempre está aqui, bem pertinho de mim!

Cada ano, penso: "o que vou desejar a meu pai no dia dos pais?" e me vem a resposta: "continuar vivendo dia a dia deixando bem claro o quanto ele é importante todos os dias!"

E é isso! Nossa vida é mais do que um hoje. São tantos hojes, ontens e amanhãs, que nossa história vai além de um dia, um tempo, está no Tempo, naquele tempo divino, naquele tempo que não se conta, não se mede e nem se limita... num tempo infinito do sempre! Do sempre estamos juntos!

TE AMO, MEU AMOR MAIOR! PAIZÃO DE CADA DIA! PAIZÃO DE TODOS OS DIAS!

E eu, em cada palavra, em cada passo que dou, me sinto a mesma menina que estava paradinha, com nove meses, em pé, esperando você chegar do trabalho e que, ao escutar o seu assovio, andou, dando os meus primeiros passos, em sua direção, doida para receber aquele abraço que só você sabe dar! 

Você é minha maior fonte de força e inspiração!

TE AMO, MINHO!


sábado, 9 de agosto de 2014

SER AMIGO É...



A maior prova de amizade se chama: RESPEITO. 

Se eu tenho a necessidade de julgar - seja lá o que for, nem que seja uma roupa que o amigo use... - um amigo, muito possivelmente, eu não respeite a mim mesmo.

Aprendi, há alguns anos, com uma grande e estimada amiga - Morgana Gazel - que a verdadeira amizade suporta a verdade. 

Um amigo que se coloca acima dos outros, que se acha a verdade universal que todos devem seguir, precisa seguir a si mesmo. Antes de falar, ouvir. Um amigo que exige rapidez e pressa no despertar do outro, está tão perdido em si, que precisa do socorro do outro e nem sabe... Um amigo que exige demais, está tão carente que precisa criar situação de colocar o outro como "você precisa do meu acolhimento" que esquece de se acolher.

Amigo de verdade é amigo, não juiz, árbitro ou analista. Usar demais a razão e querer explicar aquilo que deve ser sentido é desequilíbrio, tal qual deixar-se levar unicamente pela explosão da emoção, sem medir as consequências.

Muito a aprender e muito a agradecer! Porque, amiga que sou, perdoo antes de tudo, a mim mesma, pelas minhas falhas humanas! Sinto muito!  Me perdoe! Te amo! Sou grata!

Amigos, em minha busca, cada dia mais descubro que sei tão pouco, apesar de já serem grande descobertas! Insisto em dizer: é o seguir, o movimento que alimenta a busca; é o buscar que nos leva para onde precisamos ir e estar. Tá tudo certo!

Amigos, contem comigo, sempre! Mas, nem sempre poderei fazer o que tanto desejam... Dedico meu amor, carinho e respeito. Incluindo respeito ao tempo e espaço de cada um. É tudo o que sempre tive para dar. Mais do que isso, é carência e certas exigências, não cabem a mim realizar, apenas respeitar e, sabe como é... sair debaixo.

Ser amigo é entender e aceitar a LIBERDADE. Cada um é livre para ir e voltar, inclusive nos próprios planos, projetos e metas. Cada um cresce em si, vive seus dilemas e desafios; pondera cada escolha e suas consequências. Insisto em dizer: se alguma zona de conforto é muito desconfortável sair, não cabe a mim, enquanto amiga julgar, muito menos condenar. Acaso não tenho eu diversas e inúmeras zonas de conforto a libertar em mim? E quanto mais me liberto, quantas deixo ainda me aprisionar? A consciência cabe a mim, não a um amigo julgar. Ser amigo, de verdade, é amadurecer na amizade; é estar sem ego inflado ou vaidade. É apenas TO BE - ser e estar. É doar quando está na posição de amigo. É receber quando está na posição: "preciso de ombro amigo". Só isso. E ainda assim, considero que todo amigo tem o direito de, caso não esteja bem, simplesmente, negar: "hoje, eu também preciso de um amigo.". E, do lado de cá, nada de se doer, de deixar o melindre aflorar. O nosso tempo e o tempo dos nossos amigos seguem seus próprios caminhos e tempos, alguns momentos não dá mesmo para conciliar e isso não é falta de amor e de amizade. É reconhecer que ninguém pode ajudar, enquanto fragilizado. Reconhecer-se é para os fortes! Requer coragem e atitude! Requer firmeza e honestidade.

Sendo assim:

SINTO MUITO. ME PERDOE. TE AMO. SOU GRATA!

Pat Lins.


sexta-feira, 8 de agosto de 2014

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

TODA MUDANÇA BAGUNÇA: DA ORDEM AO CAOS E DO CAOS A ORDEM!

É preciso se quebrar os ovos para se fazer omeletes, né verdade?

Pois é... quem pensa que querer crescer e "chegar lá" é como final feliz de "Sessão da Tarde" ou final de novela, onde tudo acende por milgare, muito se engana. Esse tipo de espera nos limita a um romantismo excessivo de que tudo tem que ter um final e pronto, congela!

Sorte que a vida é mais do que isso: tanto para as coisas ruins, como para as coisas boas. Temos a oportunidade de estar em movimento e VIVER é movimento - rigidez é morte.

Mudar, gritar, estourar, romper, extravasar, inovar, transformar... tudo isso faz parte do processo de crescimento de cada um de nós - independente do que acredite religiosa e filosoficamente falando - e, não existe um "Cheguei! Ufa, acabou!" é mais para "Consegui! Venci ESTE obstáculo! Superei ESTE desafio!". Sim. Depois, outros virão. E não é castigo ou punição - isso, ainda aprendo, um dia... Não sei explicar o motivo de ser assim - nem concordo... porém... -, mas se a gente parar e observar bem, É assim. Sempre teremos algo novo a aprender. Afinal, somos humanos e, como tal, falhos e imperfeitos. Isso quer dizer que sempre estaremos em mudança. Cansar é humano. Recarregar, também. É preciso coragem para se assumir para si; reconhecer os próprio limites e dizer: "hora de parar" ou "hora de seguir" ou "hora de continuar".

De Tempos em tempo, vem uma calmaria e a gente agradece - oh, como estou desejando esse período. Mas, no geral, é superação diária. Afinal, somos ou não seres biopsicosocioeconomicojuridicocultural? Existem tantas coisas ao nosso redor que não somos apenas QUEM e/ou DE QUEM nascemos, somos, inclusive, ONDE nascemos, por onde andamos, com quem nos envolvemos, o que gostamos, as Leis que nos regem e "limitam", o dinheiro que dita as regras do jogo... Pois é! Somos saúde e doença. Somos uma dualidade constante. Até entendermos de VERDADE que de nada adianta fugir, um bom chão de idade gastamos. Não tem porquê fugirmos de nós mesmos. Mas, podemos escolher como seguir, onde quer que estejamos.

E mudar é imprescindível. Crescer dói, em toda e qualquer época, mas toda dor passa - a dor só dói enquanto está doendo, depois, passa! - e precisa passar. É preciso respeitar cada fase, cada "como estou" em cada fase.

E temos que ter em mente: toda mudança bagunça primeiro para depois, reorganizar! Não tem como não ser. Se está tudo guardado em gavetas, armários e afins, para mudar, temos que tirar, mexer, limpar, encaixotar para levar... zerar o contador, para se desapegar de fato do que passou. Nesse momento, fazemos novas escolhas: o que fica, o que segue? Lixo, limpeza, abertura para novos espaços. Insegurança, medo do que virá, do novo, do "desconhecido" que é conhecido, afinal, a gente escolheu ir para lá - inclusive, passar a ser, de verdade, quem deve ser. 

Da "ordem" entramos no caos necessário - olha a dualidade de novo e sempre - e, em seguida, uma nova ordem. Depois, uma nova rotina, com novas desordens... A vida é sempre se REORGANIZAR dia a dia. Mesmo que canse...

Para quem ainda não se deu conta - como eu -, a vida é AQUI E AGORA, cotidiano! Não foi só ontem e ainda não é amanhã!

Um grande amigo me disse recentemente - depois de minha panela de pressão explodir: "o que você precisa para hoje, você já tem. Mas, para amanhã, ah, minha miga, para amanhã falta tanto, ainda...". 

Feliz AQUI E AGORA para todos nós! Tudo está como tem que está, para ser como é!

Pat Lins - da ordem ao caos e rumo à nova ordem... 

PS - este post foi escrito em 01/09/2013 e atualizado agorinha, porque ainda é muito atual!

sábado, 2 de agosto de 2014

O SILÊNCIO AJUDA A VER MELHOR


Calar para se ver!
Calar para saber!
Calar para fazer!
Psiu! Silêncio!
Futuro trabalhando, aqui e agora! 
Já!
Parado, mas em movimento.

Pat Lins.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails