domingo, 28 de setembro de 2014

DISTÂNCIA SAUDÁVEL, SAUDÁVEL!

Imagem: Google Imagens

Como a gente sabe que mudou? Quando diante das mesmas situações, começamos a agir diferente. 

Feliz ou infelizmente, a DS - distância saudável - é o ou um melhor caminho para diversas relações - e, infelizmente, requer, dentro dessa escolha, abrir mão de estar ao lado de tantas outras pessoas especiais, por conta das pessoas "chave de problema". Sem raiva, sem peso... apenas por consciência e compreensão, sem querer mudar ou outro e dar lição, apesar de um pouquinho de desconforto e chateação.

Nem sempre o diálogo funciona, porque nem todo mundo sabe ouvir... Como dica da arte de se comunicar: entender que o receptor tem limitações no entendimento e que não depende do  quanto você/emissor se esforce para adequar a linguagem, já é uma comunicação estabelecida... você sabe que a pessoa não entende por questões que estão além do simples... requer acompanhamentos profissionais; mudanças comportamentais; definição de bons valores e etc... como isso requer tempo e esforço do outro, deixo o outro em seu tempo, respeito e compreendo...  DS - distância saudável. 

Sei lá, vejo que algumas pessoas  são muito pequenas e insistem em assim ser. Insistem em contaminar o ambiente com atitudes pequenas e sem virtudes e bons valores como base. Muitas dessas pessoas tiram proveito da compreensão alheia. Sempre questiono isso: se eu compreendo agora e daqui a pouco a pessoa faz de novo, a mesma coisa, compreendo de novo e a pessoa faz de novo a mesma coisa e percebo que criou-se um círculo vicioso de "ela faz e eu compreendo e ela não evolui, continua fazendo, e eu estou vendo e sabendo"... estabeleço a DS como medida, no mínimo respeitosa e paliativa. 

O que eu entendo é que compreender não é "submeter-se a algo e lá como vítima ficar". Viver compreendendo não quer dizer viver debaixo dos pés de alguém... É ver e saber que a pessoa é como é, nada a atinge ou nada faz com que pare e, assim, estabelecer um perímetro de segurança, mesmo que goste da pessoa. Muita gente não tem consciência da própria ação, também, não deixam de agir do mesmo jeito, num padrão, numa repetição frenética. Isso tudo aliado à má índole da pessoa... bom manter uma distância saudável. Será saudável para todos, menos para a pessoa que vai deixar de vampirizar e se alimentar de mim. Mas, eu não sou tábua de salvação de ninguém, sou apenas uma pessoa com as limitações próprias e recursos não renováveis de paciência ilimitada...

Por isso, estabeleço minha DS para o bem de todos e felicidade geral da nação e digo ao povo: "me pico!". Caio fora, por simples instinto de sobrevivência e pura intuição de que é melhor para mim.

Pensemos mais em nós como vampiros e como alimento de vampiro... em cada fase, reflitamos sobre
como, o que e porquê vivemos essa situação. Como a resposta demanda tempo... manter DS, sejamos nós vampiro ou vampirizado.

Compreendo que todo nós merecemos ser felizes e, para os chantagistas emocionais, sempre haverá um masoquista para se realizar ante sua presença. 

Que nossas DS´s sejam cada vez mais saudáveis, pois será por compreensão, não por reação e aflição.

Boa sorte a todos e cada um de nós,

Pat Lins.

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

MEU TEMPO TEM APENAS A IDADE DO CÉU!


O tempo está começando a misturar-se em minha mente, minha vida e minhas emoções.

O que era dor virou passado, que atormentava meu presente e não deixava o futuro ser diferente.

Hoje, o que passou, passou. O que é é o que é. O que virá? Já, já se estabelecerá, para, logo em seguida, passar.

O tempo, bem como dizem, não passa de uma ilusão. Criamos uma cronologia que não nos atende e, mesmo assim, desajustado, a gente não entende que só falta deixar o Tempo passar. Afinal, quem segura os seus passos, o seu ritmo ou a sua força? 

Nem nossos planos mais bem planejados e muito bem cronometrados, organizado e calculado é tão perfeito e efetivo como Ele: Kairós! Aqui, ele passa eternamente. Vai~, volta e nem sai do lugar.

Eu me sinto solta num lugar indescritível. Me sinto sem saber onde é acima, abaixo, ao lado, do outro... porque me sinto dentro, me sinto fora, envolta, em sintonia.

Há paz nesse tempo diferente, que não está brincando com a gente, apenas nos esperando, calmamente, porque sabe que um dia atentaremos para quem Ele de fato É.

De todos os tempos o SER é o É que deve ser, que é para ser.

De todos os tempos, o presente é o único que se eterniza; passando, ainda é; chegando, ainda é.

Em todos os tempos, no encontro, a vida se revela: aqui e agora.

Em todos os tempos, tudo na hora certa - por mais bem organizado que eu seja... só É quando Ele, o Tempo Rei, diz que é para ser, senão, será ou foi. 

Estranho vivermos sem tempo para respirar... morremos diariamente, sem saber, sem perceber, sem chance de acordar.

Estranho vivermos sem tempo para amar... sofremo eternamente, em cada dia que passa.

Estranho perdermos tanto tempo com coisas tão obviamente supérfluas... elas sempre vão, a gente sempre fica e  cara bate no chão.

Eu gosto do Tempo e Ele tem sido muito bom para mim, porque, agora, exatamente agora, ele está aqui comigo e me diz: "hora de mudar!" e algo novo acontece, nem que seja uma nova sensação. E, aliás, tem algo de maior importância do que sentir algo bom no coração, mesmo parada olhando para o chão?

Não é o tempo que nos condena... somos nós que nos condenamos a viver sem tempo para ser feliz! E o Tempo, o tempo inteiro diz: "Criei o tempo para que seja eternamente FELIZ!".

Tempo de acordar! Agora! Já!

Bem vinda, eu, em minha vida, nesse novo tempo que tem, apenas, a idade do céu!

Pat Lins.





domingo, 21 de setembro de 2014

QUAL A VELOCIDADE QUE A DEVE TER PARA ULTRAPASSAR O PONTO B E LIVRAR-SE DELE? - Este post é praticamente uma crônica da vida real

Imagem: Google Imagens

Há um grande "pobrema" quando a gente não faz o que a pessoa quer... ela fala para todo mundo que você é "egoísta", "ruim", "num presta", "não é uma boa pessoa", "não é capaz de ajudar a alguém que precisa", etc, etc, etc.

Papo chato para domingão, mas, um conhecido me telefonou, inconformado - ainda que ele seja uma pessoa estável e até equilibrado, não há esse que seja atacado injustamente e não sinta uma pontinha de raiva ou aquela sensação de "eu não acredito que isso seja real!", mas é/foi. Compartilho a situação para que reflitamos quando somos A e quando somos B e nos ajude a sermos melhores em qualquer situação. Afinal, a proposta desse blog é trazer o cotidiano e nos transformarmos nele, AQUI E AGORA, concorda? Então, vamos lá, porque euzinha não sou verdade Universal, por isso, penso ser importante ver as situações por escrito, nossa mente age de maneira diferente e algo começa a processar lá dentro que, creio eu, toca mais a fundo do que um bate papo oral. Whatever

Seguinte, vamos chamar meu amigo de A e o seu interlocutor de B, ok?

Bom, A estava saindo do trabalho - um dos três trabalhos -, à noite e recebe um telefonema de B, perguntando onde ele estava que queria encontrá-lo para "falar uma coisa". Só para situar, B é tio de A. Segundo A, com uma relação bem superficial e amena: se encontram em festa de família, se veem esporadicamente, rara rara raramente se falam e se veem. Não por não se gostarem, apenas por essas coisas da vida que alguns carregam na tinta, porém, apenas é uma falta de afinidade pessoal, de valores, de conduta de vida e etc. A é uma pessoa bem leve e legal. B, tivemos oportunidade de ver uma vez, en passant e pareceu ser aquele tipo de gente com uma oratória - lábia, mesmo - do tipo "vou embromar para conseguir ludibriar", com um quê de... deixa lá, foi só a minha impressão. Enfim, voltemos à situação - fofoca agora mudou de nome, né? Mas, tem uma boa finalidade: vamos pensar, nada de julgar. Curiar a vida alheia pode ser uma boa maneira de reflexão, também, né verdade?

Bem, A foi para casa - me perdoem, mas preciso ilustrar para ficar mais emocionante: A estava com uma, como dizer... "indisposição gastrointestinal", vulgo, "dor de barriga", doido para entrar em casa - e B o esperava no portão. B chegou, descrito como "político em campanha", com sorriso largo, uma simpatia tão forçada que parecia machucar sua face com aquele sorriso tão largo e armado. Já reparamos como as pessoas "mal intencionadas" usam o sorriso como arma? Faço uma ressalva, o sorriso que vem espontaneamente, da alma, ele traz alegria, o que traz angústia e te causa repulsa é o falso... Um detalhe muito interessante: B tem um carrão, grande caro, apesar de não ser uma pessoa que sustente esse padrão de vida, mas a aparência é mais importante.

B apertou sua mão. Perguntou as perguntas básicas: "Oi, como vai? Tudo bem? Firme e forte?". A responde o basicão: "Beleza! E você?", pronto, deu a deixa. B foi direto ao ponto, acompanhe essa saga pitoresca e reflexiva da vida alheia:

- Rapaz, tem um amigão meu que vem de viagem com a família, vai ficar lá em casa uma semana. Mas, sabe como é, estão sem grana e não têm como alugar um carro. Pô, já pedi a "Deuseomundo" e ninguém se solidarizou com a situação, rapaz. As pessoas andam tão egoístas que Deus me livre!

- Tá, certo, B, mas me diga uma coisa, você não quer entrar? É que eu estou me sentindo meio mal, estou com uma dor de barriga danada. 

- Não, vou entrar não. É rapidinho. Será que você pode me emprestar seu carro, para que eles possam ficar mais livres pela cidade, conhecer... Como você sempre foi um cara legal, do bem, ajuda todo mundo, tem seu carro e o de C - C = esposa de A - dava para segurar a onda por uma semana e não ia atrapalhar nada, ela pode te deixar no ponto aqui perto que passa ônibus para seu trabalho, para na porta, eu já procurei levantar todas as informações e é tranquilo. Pode deixar que o combustível ele coloca, você só precisa deixar um pouquinho para eu pegar aqui e levar até eles, para não abusar da sua boa vontade...

A, apesar de ser um cara calmo e mais para calado, não se conteve e:

- B, assim, você tem noção do horário que saio de casa, de carro, para chegar em um dos meus três empregos, com os quais eu pago minhas contas, inclusive o carro? Eu pego às 7:30h, fora da cidade. Você quer que eu vá para a rodoviária, pegar ônibus para seu amigo curtir? Sinceramente, você vê algum sentido nisso? Faria de bom grado se não fosse me prejudicar, mas vai comprometer toda minha rotina. Eu saio da cidade 1 às 13h e corro para a cidade 2 e chego em cima da hora. De ônibus, com certeza, perderia um dos empregos e preciso manter os três.

- Mas, rapaz, você nem tem filho, é só você e C. Um casal jovem, cheio de gás...

- B, tentei te situar da minha rotina apenas para que você entenda que eu nem preciso negar, ao entender, achei que você iria dizer: "rapaz! Valeu! Mas, vai te atrapalhar todo!" e, ao contrário, você está tentando me convencer de que que devo me sacrificar pelo seu amigo?

- É, mas lembre que você já precisou de mim e eu te ajudei. Bem que sempre te achei um mauricinho de merda, metidinho porque fez faculdade e esses cursos depois. Estudou tanto e tem que ficar correndo atrás de emprego. Adianta estudar e ter que ter três trabalhos para se sustentar? Aí, acontece isso, ó, não sabe o valor que a vida tem. Sempre teve tudo na mão, né, acha que a vida é fácil. Dizia para sua mãe não te dar as coisas na mão, que você sempre foi muito egoísta. Aí no que deu! Tem nada não, não precisa se sa-cri-fi-car, não. Eu vou dar um jeito, porque eu sempre resolvo tudo, né? ...

Cinco segundo de silêncio e A sem conseguir processar e organizar seus pensamentos... de repente, o que já era sem sentido virou um buraco e as voltas em seu abdome aumentavam e entre os gritos do seu corpo, aquela situação inusitada e inexplicável... e inimaginável e... não tenho mais adjetivo para (des)qualificar essa situação... A já nem escutava mais os ataques de B, porque sua mente não tinha referência do que aquilo tudo significava e, sem sei lá, signo, significado e significante - para mim, sem significância... - a semiologia + a psicanálise + a psicologia + a sociologia + a antropologia + todos os campos do saber devem ter uma explicação para o inexplicável... vamos reunir Saussure e Freud, Jung, vamos chamar Baumann também... sei lá, alguém já escreveu sobre a "teoria do absurdo"?! 

A, passados esses cinco eternos segundos, emite um grunhido, quase uma palavra:

- Olha, tio, fala o que quiser, pense o que quiser, mas, escute o que fala, o que me pediu e me responda: você não trabalha, não estuda, seus filhos estão crescidos e moram com a mãe..., tem um carro grande, que cabe muita gente... Empresta o seu e fica tudo certo. Você não precisa se chatear conosco, pessoas egoístas. Você pode curtir com eles e todo mundo fica feliz!

- Você está me chamando de desocupado? Acha que posso ficar sem carro? Quem vai resolver as coisas que tenho para fazer? Vou ficar pegando ônibus por causa de ninguém? Agora, você sim, pode fazer isso e não quer, porque não sabe o que é ter que ralar, ter que subir e descer de ônibus. Entra em seu carrinho de merda... Estudou tanto e tem um carro popular. Só rindo...

Não vou continuar o diálogo porque foram quase meia hora de "papo". Mas, só para finalizar, A disse que encerrou assim:

- Bom, tio, como você disse, era coisa rápida, né? Já falou o que queria, ouviu o que não queria de mais uma pessoa egoista, né? Só por curiosidade, quantos egoístas teve contato hoje, para resolver seu probleminha?

- Fui em seu irmão, aquele advogadozinho de merda; fui em seu primo, aquele engenheiro tirado, que acha que é melhor que todo mundo porque mora numa mansão... deve deixar de comer para pagar as contas e manter aquele carro, aquele invejoso de uma figa; fui em sua mãe, que agora entendi porque você e seu irmão são assim, tão egoistas... 

- E seus filhos? - acho que A usou de ironia pela primeira vez em seus 35 anos... depois vou curiar, perguntando se ele gostou do veneno escorrendo na hora certa...

- Aqueles puxaram o sangue ruim da mãe. Prestam para nada.

- Aí, viu, já que você é uma pessoa tão boa, tão prestativa e altruísta, volto a dizer: empresta seu carro para eles.

- Pô, rapaz, você invocou com meu carro. Vou manda benzer para tirar esse seu olho gordo. Desculpa se vim te incomodar em sua casinha, com sua vidinha. Vai, entra e vai ca**r... - e saiu andando, entrando no carro; arrastou e só ficou a poeira.

Bom, A entrou, ainda em estado de choque, fez seu serviço de imperador, aliviou-se, banhou-se e sentou-se incrédulo até a C interrompeu o silêncio com uma bela novidade que deixou o passado seguir seu rumo e ele nem se preocupava mais com o que B ia falar dele por ai, porque agora, ele vai ser papai e não tem tempo para perder com a loucura dos outros. Eu - Pat - chamo essa loucura de loucura insalubre, porque é danosa, venenosa e tenta prejudicar o outo, desestabilizando, desmoralizando, detonando...

Enfim, e aí, quantas vezes - em diversas proporções - somos A, somos B e somos C?

Eu sou o alfabeto inteiro, com características mais fortes de A... pois, todo mundo é bonzinho, né?

Assim, ficam as lições para refletirmos hoje... rindo para relaxar.

Pat Lins

Imagem: Google Imagens

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

HOJE


Hoje, eu quero ter as respostas diretas para entender o que acontece em minha vida!

Hoje, eu posso mudar e ajustar tudo o que está fora do lugar - dentro de mim.

Hoje, eu posso deixar todo o peso diminuir e a leveza se estabelecer em minha vida.

Hoje, eu posso sentir o pulsar em meu peito, cadenciado e ritmado com a pulsação do Universo e sentir, sentir e sentir o fluxo da vida!

Hoje, eu quero perceber e sentir, sentir, sentir que as palavras nos limitam mais do que libertam. Charles Chaplin nos prova isso... O corpo todo fala! As emoções gritam, ainda que falemos em voz mansa e baixa, o que está dentro, forte, pula e ninguém vê, mas sente e sabe, entende.

Hoje, eu quero ter a paz em meu coração, de tamanha forma que o externo se deixe envolver pela minha paz e harmonia infinita!

Hoje, eu só quero me libertar de mim mesma, para ser EU!

Hoje, hoje, hoje é o dia! Hoje é o dia que parei cedo, começando o turbilhão de coisas para fazer que dependem de mim + o que não depende de mim + o que precisa ser feito + o que eu quero que seja feito + o que deve ser feito + o que acontece + ... = pânico in the morning!

Assim, hoje, eu me permito entregar aos Céus, ao Pai, a Deus, ao Criador, ao grande Arquiteto do Universo meu maior desejo, um desejo direcionado à vontade divina em mim de SER livre e liberta de toda a agitação, angústia, de todo o pânico, de todo o medo, de toda a inquietação desnecessária! 

Hoje, somente o necessário!

Hoje, Pai, eu me permito sentir alívio em minhas costas largas e cansadas.

Hoje, eu liberto a pressão em meu ventre de tanto medo de "não dar conta do dia que começa". 

Hoje, recebo Seu apoio, Sua força, Sua Luz! Hoje, eu sou entendimento. Hoje, eu sou aceitação. Hoje, eu sou resiliente. Hoje, eu sou capacidade de realizar. Hoje, eu sou meu centro! Hoje, eu sou!

Hoje, eu sou conexão direta com Aquele que tudo pode, tudo é e tudo faz acontecer! Hoje, eu sou um milagre por merecimento!

Hoje, eu sou livre do que passou. Hoje, eu sou o aqui e agora e nada mais tem peso! Hoje, amanhã começa novo e renovado!

Hoje, começa um novo tempo!

Hoje, o passado não se apaga, mas segue seu fluxo e apazigua-se em seu tempo posto do que já foi. Hoje, os resíduos são identificados e transformados em força extra para concretização.

Hoje, eu sei que posso! Porque hoje, é só o começo de tantos ou poucos hojes, mas hoje, é aqui e agora! E, sim, hoje, eu posso!

Hoje, eu posso, eu mereço e eu consigo!

Assim seja, hoje!

Pat Lins.

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

O SER PERECE PARA IMORTALIZAR!



Só vejo as pessoas julgando; condenando; andando cheias de nós pelas costas; imaginando; fingindo; culpando; cobrando... pouco vejo se doando, mudando, se transformando, compreendendo, perdoando, se abrindo, evoluindo. 

Interessante é que, a maioria, só se vê como vítima e diz: "eu não!". 

Somos tão tolos e tão pequenos! Eu também, sim! Me acho melhor do que ninguém, não. Problema é que me veem como querem e me idealizam assim... infelizmente, isso não é comigo. Eu sou muito mais do que você pensa e muito menos do que você imagina - frase que falo e repito aqui.

Podemos ser tão maiores, tão melhores!

Amor não se cobra, não se mede, amor se vive. Se é para se doar, se doe. Esperar e cobrar do outro só vai aprisionar na dor. 

O movimento do amor é livre e libertador, não se preocupa se você faz festa em seu aniversário; se compra presente de natal; se dá presente a mãe no dia das mães; se presenteia o pai no dia dos pais... isso se chama comércio e consumo. É certo ou errado? Não é essa a questão. O que conta é a construção diária da relação. Esse glamour que se faz em cima de "quem dá mais", nunca foi movimento de amor. Eu amo e pronto. O amor não tem rótulo. É. Apenas: é! Doação de amor é mais do que falar e exigir do outro - cuidado com as máscaras dessas cobranças... você pode até se enganar, mas quem recebe entende e se sente cobrado. No amor não existe jogo, nem estratégias. Mentirinhas e joguetes são para as pessoas vazias. Me entristece ver esse vício em mais pessoas do que gostaria de ver e perceber. E, com nomes diversos, alegam que não fazem e se sentem injustiçadas quando passam pela mesma coisa. Tem trave no olho, não? Melhor tirar.

Vejo tanta gente azedando por não se amar. Vejo tanta gente azedando por julgar, cobrar, condenar, exigir mais do que tem para receber... isso só traz dor e sofrimento para si e para os outros. Daí, o outro vai embora e, diante da dor, ainda leva a culpa... A gente não perde o que não nos pertence e o que nos pertence, mesmo? Tudo é perecível, até nós mesmos. A gente perece para imortalizar.

Perde tempo, não. E não é terminar de ler e dizer: "me identifiquei! Penso assim, mesmo. Quanta gente por aí julgando. Fingindo que doa amor! Fingindo que ama!", depois, sair por aí julgando A, B ou C porque fez uma coisa que "se fosse eu, não faria!"... Chega de hipocrisia, chega não?

Ao escrever este post, pensei em mim mesma. Olhei para mim mesma. Li a mim mesma. Preciso mudar a mim mesma. Estou tentando retirar a trave do meu olho, irmão, para poder ver limpa e puramente. Enquanto todos querem se sujar e igualar, eu, comigo mesma, vou me limpando. No mínimo, respeito a mim mesma; no máximo, respeito a mim mesma!

Todos temos problemas e motivos para entrar em pânico. Mas, temos também outros tantos motivos para não surtar e manter o foco na alegria! 

Celebremos a vida, vivendo melhor, cada dia!

Ai, cansei. Se avaliar cansa, dói... mas, liberta, alivia, abre para o novo!

Um lindo novo ser para você! Sinta-se bem! Sinta-se! Bem! 

Pat Lins.

PS - Se concluir a leitura se sentindo melhor do que os outros e dizendo: "Nossa! Eu não sou assim!", sugiro que leia e releia novamente... até sentir, límpida e puramente: "Eu posso ser melhor!".


segunda-feira, 8 de setembro de 2014

IMPERFEIÇOAMENTO

Imagem: Frases de Renato Russo - Facebook

Ninguém precisa provar nada para ninguém, mas todo mundo espera que o outro te prove que "ele/a é..." e a gente fica sempre na posição ilusória restritiva de quem está acima de todos, porque somos tão temerosos em aceitarmos que sim, podemos ser perfeitos - considerando que somos a imagem e semelhança de Deus -, que não aceitamos aceitar que isso requer algum esforço..., inclusive, enxergar e lidar com as próprias imperfeições... assim, melhor ficar julgando e esperando ser julgado, pois desta maneira, ninguém avança e se sente divino por Natureza! 

Assim, morremos muito diferentes do que nascemos: emburrecemos ao longo da vida, nos imperfeiçoamos ao longo da jornada. 

A compreensão só dói naqueles que não se sentem dignos de se sentirem humanos... se deixam manter selvagens, atacando por se sentirem sempre sendo atacados.

Muito amor!

Pat Lins - emburrecida

domingo, 7 de setembro de 2014

O VAZIO DA COMPLETUDE




Que a gente se encha de vazio, para que só entre o essencial!

Nossa completude é a plenitude de sempre esvaziar.

Pat Lins

terça-feira, 2 de setembro de 2014

A VIDA É VERBO - TEMPO DE SER E ESTAR AQUI E AGORA!


Pessoas especiais, quando, por conta desses motivos da vida, de cada um ir para um canto, não deixam de ser especiais em nossas vidas. Um dia, a gente entende que a necessidade da presença física é coisa da nossa mente limitada. Consequentemente, nos apegamos, nos sentimos presos e aprisionamos. 

Daí, a vida chega e diz: "êpa, né assim não, meu bem! Né assim que a banda toca não" e dá a nota e dá o tom e a gente, que "sabe de nada", resiste em apenas escutar a música e deixar o corpo embalar no ritmo, no fluxo, no caminho! Pessoas especiais, sempre são especiais em nossas vidas, estejam onde estiverem!

Aos poucos, esvaziando, vamos nos tornar - não como passe de mágica e extremamente - diferentes, no sentido de melhores, à medida que aceitamos o tempo presente, o AQUI E AGORA! 

Perdeu a paciência ontem - bom, lembrando que ninguém perde aquilo que não tem... né? -, vai ficar preso à crítica e ao medo de seguir em frente, se aprisionando e se punindo pelo que fez? LIBERTE-SE, JÁ! Reconheço que fiz. Reconheço que me incomodou. Reconheço que não me contive, porque não é para se conter, é para fluir e fluir é verdade; verdade é consciência! Seguir a consciência é fluir, é dançar a dança da Vida, na cadência do Tempo de ser e estar, conforme a Natureza do Ser! Ninguém tem o direito, nem o dever, de condenar ou ser condenado sem ter a liberdade de, hoje, agora, escolher fazer o novo, fazer melhor ou melhorando.

A vida é gerúndio, vai acontecendo, enquanto estamos aprendendo e vivendo. O Tempo é gerúndio, vai guiando e passando, permanecendo e renovando. A Natureza é gerúndio, está sempre plantando, germinando, nascendo, transformando!

A Vida é Tempo infinito! No infinito contínuo que é o AGORA!

EU SOU VIDA! EU SOU LIBERDADE! EU SOU LIVRE DOS PENSAMENTOS, CRENÇAS E VALORES RESTRITIVOS E PARALISANTES! EU SOU!

Eu Sou Pat Lins!

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails