sexta-feira, 19 de junho de 2009

"VAMO DANÇÁ A QUADRIA"


“Os rapazes e as moças entraram no salão e se organizaram em pares, fingindo que o faziam ao acaso. Assim, Danilo ficou com Rosinha, e Fred com Jéssica. “Pelo menos, agora, ela não fugiu...”, Fred falava com seus próprios botões. Foi interrompido pelo toca-fitas que abafou, com o ritmo junino, todos os ruídos. Em seguida, arrastando notas de alturas próximas, como se sua voz flutuasse sobre a música, Dr. Libório pôs-se a fazer a marcação:


– VAMO COMEÇAR A QUADRILHA, PESSOAL – ele gritou. Os pares gritaram – VAMOS! – e ele continuou:


– CAVALHEIRO PRUM LADO E DAMA PRO OUTRO.


A música animada afugentou a inibição, e os rapazes e as moças obedeceram à ordem, no ritmo da dança.


– HOMES DE FRENTE PRAS MOÇA. VAMO LÁ, MINHA GENTE.


Fred tentava não olhar para sua dama, não queria tropeçar nos próprios pés tão grandes.


– CAVALHEIROS CUMPRIMENTANDO AS DAMA.


Fred curvou-se diante de Jéssica, como todos os demais diante de seus pares, seu coração, porém, saiu do compasso.


– AGORA AS DAMA CUMPRIMENTA OS CAVALHEIRO.


No gostoso balanço da música, as damas chegaram-se aos cavalheiros, depois voltaram a seus lugares.


– OS CASAIS SE JUNTA DE NOVO. OLHA O BALANCEIO.


Todas as mulheres dançavam, mas para Fred só existia uma...


– VAMO COMEÇAR O PASSEIO.


A música rolava e os casais, de braços dados, dançavam.


– PASSEANDO, MINHA GENTE, ATÉ FORMAR UMA RODA DO TAMANHO DESTE SALÃO.


Fred não entendia. Seu coração era um perfeito idiota. Alegrava-se com o quê? Ela estava pendurada em seu braço apenas por causa da dança.


– AGORA, TODO MUNDO DE MÃOS DADAS – QUE BELEZA!


Fred concordou; era realmente uma beleza a garota a seu lado.


– FORMANDO DUAS RODA, PESSOAL. DAMA, POR DENTRO, CAVALHEIRO, POR FORA. SOLTA SUA DAMA, DANILO. Ô MENINO DANADO!


Todos riram, inclusive Danilo.


– VAMO GIRANDO. AS DAMA PRA DIREITA, OS CAVALHEIRO PRA ESQUERDA.


As rodas ficaram a girar. A música rolava, os rapazes e as moças dançavam. Era um espetáculo para os olhos! Você precisava ver.


– AS DAMA PARANDO. OS CAVALHEIRO GIRANDO, ATÉ ACHAR SUA DAMA. ACHOU!


Os rapazes dançavam, as damas rebolavam em frente.


– QUE BELEZA!


Nenhum cavalheiro seria capaz de negar.


– AGORA, O CARACOL, MINHA GENTE.


A música rolava e a fila enrolava... Fred segurava Jéssica pela cintura. Um fogo tomava-o por inteiro. Seria o calor?


– A CAMINHO DA ROÇA, PESSOAL.


O balanço das saias e a música quente, em uma longa fila dançante.


– CUIDADO COM A COBRA!


Gritos e risos atravessaram a melodia. Fred também riu; viu Abud correr em desatino. Mas, que nada! Ele dançava, como todos, no ritmo jocoso do sertão.


– É MENTIRA.


Fred continuou em seu devaneio; seria uma cobra de mentira ou uma mentira sobre a cobra? E Jéssica, em sua frente, rebolava animadamente.


– COMEÇOU A CHUVA. NÃO DEIXE MOLHAR A ROUPA NOVA, GENTE BOA.


As mãos cobriram as cabeças, mas os corpos obedeciam à melodia.


– JÁ PASSOU.


Com ou sem chuva, a música contagiava, cúmplice com o marcador.


– VOLTANDO AO PASSEIO. TODO MUNDO DE BRAÇO DADO.


Fred obedeceu e agradeceu ao marcador que dançava.


– TÁ BONITO!


Mais uma vez, Fred concordou.


– PREPARAR PRO TRAVESSÊ. UM CASAL PRUM LADO, OUTRO CASAL PRO OUTRO.


A musica a rolar e duas filas de casais a dançar.


– TRAVESSÊ DE DAMA. VAMO BALANÇANDO.


As damas passando para o mesmo lado. A música a balançar as cadeiras das damas.


– TRAVESSÊ DE CAVALHEIRO.


Os homens para o outro lado. O ritmo nos pés dos homens.


– HORA DO GALOPE.


O passo célere, galopado. Cada par em sua vez. Sem esperar, a música movimentava as cadeiras das mulheres e os pés dos homens.


– VAMO LÁ, PESSOAL. GALOPANDO.


O par a galopar entre a dança das mulheres e o ritmo dos homens.


– VOLTANDO A SEU LUGAR, CADA QUAL COM SUA DAMA.


Os pares a se juntarem em duas filas dançantes.


– JUNTANDO AS FILA. E VAMO CONTINUAR O PASSEIO.


E outra vez se formou a grande fila. A música a contagiar as cadeiras das mulheres e os pés dos homens.


– CUIDADO COM O TÚNEL! É ESCURO LÁ DENTRO. VAMO PASSAR, SEM PERDER O RESPEITO.


A luz do salão apagou-se e logo se acendeu. Todos gritaram. E cada par atravessava um túnel feito com os braços dos casais que dançavam.


– TÁ BONITO!


Era o marcador que retornava às festas do passado.


– VAMO VOLTAR PRO ARRAIÁ, PASSEANDO.


Ao som da melodia, os casais voltaram a passear.


– CHEGOU A HORA DO ARRASTA-PÉ, MINHA GENTE!


O marcador já dançava antes do arrasta-pé começar.


– AGORA VAMO DANÇAR, ATÉ O DIA CLAREAR.”



(trecho da festa de São João do livro Enseada do Segredo, de Morgana Gazel)

Um comentário:

  1. Oi

    Te convido pra conhecer meu Blog e minhas idéias.
    Qdo. tiver um tempinho, dá um pulo lá.

    http://www.julio-verdi.blogspot.com/


    Bjs


    Júlio Verdi

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário/participação. Obrigada, pela visita! Volte sempre!

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails